A Casinha feliz
UMA CONCEPÇÃO FÔNICA DO ENSINO DA LEITURA

 

           A concepção fônica do ensino da leitura leva o aprendiz a identificar e a manipular os sons elementares (fonemas) que formam as palavras faladas do idioma. Considera indispensável ensinar de forma explícita a relação entre estes sons elementares e as letras ou grupos de letras do alfabeto (grafemas). Leva a entender que as palavras escritas são sequências de letras do alfabeto que correspondem a combinações de sons elementares que formam as palavras faladas. Aplica estratégias para desenvolver a compreensão das palavras, frases e textos lidos, estimulando em paralelo, com as mesmas premissas, as habilidades da escrita.

Os trabalhos de Stanovich, K. E. (1993 e 1994) (1) e de Adams, M.J., (1990)(2), orientaram uma ponderável parcela de pesquisadores e de países na direção da concepção fônica do ensino da leitura. Estes pesquisadores definiram a habilidade de identificar e manipular os sons do idioma e os fonemas em particular - consciência fonológica e consciência fonêmica - e mostraram que esta habilidade é o fator isolado que melhor permite prever o sucesso na alfabetização. Teóricos de diversos países - nos Estados Unidos, na Inglaterra, na França e no Canadá, notadamente - confirmaram e aprofundaram estas constatações, recomendando esta forma de ensino como sendo, de todas, a mais eficaz.

A concepção fônica do ensino da leitura é uma recomendação de governo em Portugal, França, Chile, Itália, Inglaterra e Estados Unidos e um padrão de fato em Cuba, Israel, Canadá, Bélgica e Alemanha.

O Método Iracema Meireles, criado nos anos 50, adota a concepção fônica do ensino da leitura e é apresentado atualmente em duas cartilhas: A Casinha Feliz, para crianças e É Tempo de Aprender, para adolescentes e adultos . 

A alfabetização tem início pelo ensino das relações entre os sons do idioma e as letras e grupos de letras do alfabeto. Isto é feito através de uma história, onde os personagens são pictogramas que contêm grafemas e sugerem fonemas. O esforço de memorização é mínimo e a assimimilação é imediata. O lúdico e o multissensorial caracterizam a fase inicial do processo, acelerando e motivando a aprendizagem. Está aí o maior segredo da eficiência do método, sua marca registrada. 

A identificação e a manipulação dos fonemas(consciência fonêmica), dos grafemas(consciência grafêmica) e das relações grafema-fonema(consciência fônica) são induzidas e trabalhadas de forma vigorosa e definitiva. 

O início do desenvolvimento das habilidades grafêmica, fonêmica e fônica, levam o aprendiz a compreender o que é o princípio alfabético - a representação de sons por letras - e também o que é o nosso sistema alfabético - a forma como são representados os sons do nosso idioma através das letras do nosso alfabeto. Está pronto para enfrentar e vencer, levado por mão cuidadosa, o desafio da leitura. É encorajado a ler, de forma supervisionada, as primeiras palavras simples, formadas por vogais e por consoantes de um primeiro grupo, m, n, v, d, p. É levado a compreender, experimentando, que uma determinada seqüência de letras representa uma - e só uma - combinação ou aglutinação de sons que podem formar uma palavra da qual ele, pelos cuidados da mão que o leva, já deve conhecer o significado. 

A apresentação das relações que envolvem as outras consoantes, os dígrafos e os demais caracteres gráficos do idioma dão ao aprendiz a possibilidade de ler e de escrever de forma própria qualquer palavra e qualquer texto de relativa complexidade no nosso idioma com a precisão e a compreensão exigíveis. Ao final desta fase estão instaladas as competências de leitura e escrita autônomas. A partir daí, resta desenvolver e aprimorar a capacidade de leitura e escrita, o que pode e deve se prolongar por toda a vida. 

A apresentação das relações grafema-fonema é feita de uma forma muito original, e merece ainda mais algumas palavras. Os metagrafemas ou figuras-fonema são um recurso de aproximação de forte apelo audiovisual. São pictogramas que funcionam como ideogramas e rébus. Transformados em bonecos reforçam o multissensorial e impressionam tato, olfato e mesmo paladar. Assegurada a assimilação, desaparecem. 

O Método Iracema Meireles apresenta as relações grafema-fonema numa ordem pré-estabelecida, o que se define tecnicamente como instrução fônica sistemática, estratégia reconhecida por muitos pesquisadores como a mais eficaz para indivíduos das mais diversas origens e com diferentes níveis de habilidades.

O Método Iracema Meireles apresenta as relações grafema-fonema de forma individualizada, o que se define tecnicamente como instrução fônica sintética, estratégia reconhecida por muitos pesquisadores como a mais eficaz para indivíduos das mais diversas origens e com dificuldades de aprendizagem. 

O Método Iracema Meireles desenvolve as competências de leitura e de escrita inteligentes e autônomas de forma muito eficiente. O aprendiz medianamente dotado adquire estas habilidades num prazo médio de três meses. Uma experiência que vem se renovando há mais de meio século, por inúmeros colégios do país, e pelos mais de um milhão e duzentos milhões de brasileiros, inclusive no exterior, com quem teve e tem, a satisfação de compartilhar os primeiros passos na fascinante experiência do aprendizado da leitura e da escrita. 

Silo Meireles

(1) Stanovich, KE (1994) Beginning Reading And Phonological Awareness .. Learning to read begins well before ... Synthesis of research on phonological awareness: Principles and implications .... Romance and reality ... Descrição: Provides suggestions for teaching phonological awareness. Includes strategies for helping children... Categoria: Reference > Education > Early Childhood > Subjects > Language Artshttp://www.kidsource.com/kidsource/content2/disability.phonological.html - 15k - Em cache - Páginas Semelhantes 

(2 ) MJ.Adams, (1990) Developmental Psychology 2 - lecture 6 ... school.. Phonological Awareness is the best predictor of early reading ability -. "an ...http://www.dur.ac.uk/j.w.adams/Dev2/reading.htm - 11k - Em cache - Páginas Semelhantes