A Casinha feliz
PALAVRA DE PROFESSOR

Rio de Janeiro, 26 de Maio de 1997

Exmº. Sr. Ministro da Educação
Dr. Paulo Renato Souza

 

            Pela presente, dirijo-me a V.Exa. para expressar minha estranheza quanto à divulgada exclusão da cartilha “A Casinha Feliz”, de responsabilidade didática das professoras Iracema e Eloisa Meireles, do Programa Nacional do Livro Didático.

Integrei o magistério público primário do Rio de Janeiro e pude atestar os bons resultados obtidos com a alfabetização de crianças através de tal método.

Hoje, embora totalmente afastada das atividades didáticas, lido diariamente com trabalhadores e empregadores aos quais presto jurisdição como Juíza do Trabalho do Tribunal Regional da 1ª Região. E posso avaliar o quanto as deficiências educacionais dificultam as relações de trabalho, em flagrante prejuízo para a nação. Quer pela precária formação da força de trabalho, sobretudo no âmbito técnico e profissional, quer pela reiterada prática patronal de desrespeito à lei, à ética e aos mais elementares direitos humanos. Como ex-professora, sei o quanto a sala de aula é importante para que se aprimore o estado de direito. Sei que, em grande parte, a cidadania de um povo se constrói na escola. “A Casinha Feliz”, como bom e comprovado instrumento de alfabetização e formação de nossas crianças, tem inscrita a sua participação nesse processo de construção da cidadania brasileira. Lamentável, pois, a sua exclusão do Programa Nacional do Livro Didático.

Confiante em que V.Exa. se empenhará no reexame da medida, manifesto meus verdadeiros protestos de estima e elevada consideração.

Atenciosamente

Comba Marques Porto
Juíza do Trabalho